quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Carta aberta a Bruno de Carvalho

Passaram mais de 3 anos desde a última vez que escrevi neste blogue. Estávamos nas vésperas das eleições onde os sócios do Sporting viriam a eleger Bruno de Carvalho como presidente do clube. Desde então, não tenho escrito apenas por falta de tempo mas, principalmente, por acreditar que o nosso clube está a seguir o rumo correcto.
Quem olha para o clube dessa altura e olha para o clube de hoje, facilmente se apercebe das mudanças que o Sporting sofreu, sendo que a esmagadora maioria dessas mudanças foram positivas. Independentemente do que aconteça até às próximas eleições, independentemente da bola entrar mais ou menos vezes na baliza adversária, é necessário reconhecer o trabalho que esta direcção desenvolveu. Hoje, o Sporting é um clube equilibrado financeiramente, com uma equipa de futebol competitiva, um canal de televisão e um pavilhão. O estádio voltou a encher. Os adeptos recuperaram o orgulho em ser deste clube. Todo este trabalho feito não tem preço.

O que me motiva a escrever este texto não apaga nada do que disse atrás. Uma vez esclarecida esta parte, vamos ao que interessa:

"Exmo. Pres. Bruno de Carvalho

Imagino que por dia deva ler inúmeras "cartas abertas". Esta é só mais uma. Não sei sequer se a minha vai chegar até si, nem lhe quero estar a roubar tempo, que sei que é precioso. Só lhe quero dar a opinião deste jovem adepto, que vive o clube de forma intensa.

Hoje, a equipa de futebol do Sporting passa pelo momento mais conturbado desde que Jorge Jesus assumiu o comando técnico da equipa. É também, possivelmente, o momento mais difícil desde que o presidente assumiu o clube, no que à equipa de futebol diz respeito. Estamos no início de Novembro, a 7 pontos do 1º lugar e o acesso à próxima fase da Champions League é uma miragem.
Bem sei que ainda faltam muitos jogos até ao fim da época e que, até lá, muita coisa pode acontecer. Mas receio que o abaixamento de forma que a equipa teve recentemente (e que eu espero que não se prolongue) nos possa vir a custar o título de campeão nacional, no final da época. Eu tenho a noção da injustiça que isto é. No fim de contas, parece que uma equipa não pode ter uma fase "menos boa". Mas é o campeonato que temos...

Tenho lido diversas opiniões sobre quais são os motivos e os culpados pelos quais o Sporting tem passado por esta fase menos positiva. A maioria delas apontam o dedo ao nosso treinador, Jorge Jesus. Com certeza que o treinador também terá culpas no cartório. No entanto, para mim, desculpe a franqueza, o principal culpado é o presidente. E passo a explicar o porquê de o achar:

Jorge Jesus é um dos melhores treinadores do Mundo. Não o digo só por ser nosso. Aliás, já o dizia antes de ser nosso. É um dos melhores do Mundo porque, a forma como trabalha os seus jogadores, no dia-a-dia, como os faz crescer e os encaixa dentro do seu sistema táctico, para formar uma equipa, é extraordinária. É neste aspecto que ele se distingue dos demais.
A partir do momento que o presidente, já com a época desportiva a decorrer, vende 2 dos seus jogadores mais importantes (aos quais, por infortúnio, se juntou uma 3ª baixa por lesão - Adrien), veio retirar ao treinador a possibilidade de trabalhar essa equipa. E porquê?

1)  A maior parte dos reforços (Joel Campbell, Markovic, Bas Dost, Castaignos e Elias) chegaram em cima do fecho de mercado de transferências, numa altura em que a época já decorria. Nenhum destes jogadores fez a pré-época. Ou seja, Jorge Jesus não teve o tempo suficiente para os trabalhar de modo a estarem preparados para entrar na equipa assim que João Mário e Slimani fossem vendidos e Adrien se lesionasse. Repito, não estamos a falar de 3 jogadores quaisquer. Estamos a falar daqueles que foram, muito provavelmente, os jogadores mais importantes da equipa na época 15/16.
2) Jorge Jesus não faz milagres. É um treinador que potencia, como poucos, as qualidades individuais dos seus jogadores. Mas se o jogador não tiver o mínimo de qualidade para jogar a este nível, também não vai ser o treinador que a vai inventar. Ou seja, uma vez que as transferências de João Mário e Slimani ocorreram em cima do fecho do mercado de transferências, fiquei com a ideia que não houve tempo suficiente para colmatar outras lacunas do plantel (e/ou trazer jogadores de qualidade superior), nomeadamente nas laterais da defesa.

Não tenho dúvidas de que daqui a uns meses o Sporting voltará a exibir-se a um nível elevado, mal se comece a sentir o dedo do treinador nestes jogadores. Mas e até lá? Até lá, tenho receiro que tenhamos acabado por perder a maioria (se não toda) da margem de manobra que possuíamos para vir a ser campeões nacionais, em Maio.

Presidente, só lhe peço que não volte a cometer um erro semelhante a este (pois acredito que a próxima época desportiva será planeada por si, após vencer as eleições em 2017). Não volte a deixar o treinador na mão. Acredito que terá sido essa sua capacidade de "atrasar" os negócios de Slimani e João Mário que tenha acabado por fazer render o valor dos seus passes ao máximo. Foram vendas extraordinárias, que ninguém duvide disso. Mas, e a que preço? Ao preço de um campeonato, provavelmente.

Peço-lhe que, no futuro, se possível, considere as seguintes alternativas:
- antecipe-se a este tipo de vendas de jogadores importantes para a equipa (como as de João Mário e Slimani) e dote, previamente, o plantel de alternativas de qualidade, desde o início da pré-época,
- caso não seja possível trazer essas alternativas antes da realização dessas vendas, não volte a permitir que jogadores importantes sejam transferidos com a época a decorrer.

Para finalizar, só quero dizer que espero estar enganado. Espero que em Maio todos possamos festejar o merecido título de campeão nacional, que nos escapou entre os dedos na época passada. Dizer também que continuarei a acompanhar a equipa, sempre que possível, e a apoiá-la durante os 90 minutos, independentemente do lugar que ocuparmos na tabela.

SL"

sexta-feira, 22 de março de 2013

Quem é José Peyroteo Couceiro?



Falta de competência, ligações ao BES, negócios sujos, desconhecimento sobre a realidade do clube... CONTINUIDADE!

quinta-feira, 21 de março de 2013

Eleições 2013

A dois dias da realização das eleições para os diferentes órgãos do clube, quero deixar claro qual a minha posição em relação às diferentes candidaturas.

Começando por Carlos Severino, devo dizer que me parece tratar-se de um Sportinguista bem intencionado e convicto das suas ideias, mas sem qualquer tipo de capacidades para liderar um clube desportivo. A tirada no primeiro debate eleitoral (onde diz que gosta dos projectos dos outros candidatos e que, por isso mesmo, os convidou a desistirem a seu favor), tem tanto de cómico como de ridículo. Está, claramente, a mais. Não só na campanha, como nos debates, onde conseguiu roubar tempo de discussão, que deveria ser empregue em matéria mais importantes.

Sobre José Couceiro, devo dizer que representa tudo que não pretendo voltar a ver no Sporting.
Alguém que sempre andou afastado da vida Sportinguista (excepto quando foi um profissional remunerado pelo Sporting), não pode nunca conhecer o clube e os seus adeptos e não pode nunca ser presidente do Sporting.
Alguém que foi um profissional remunerado dos nossos maiores rivais, não pode nunca ser presidente do Sporting.
Alguém que se candidata ao clube após "ceder a pressões", mostrando que se candidata não por vontade própria, mas por vontade de outros, não pode nunca ser presidente do Sporting.
Alguém que enquanto profissional de futebol, nunca mostrou trabalho de qualidade nos clubes que passou, não pode nunca ser presidente do Sporting.
Como se isto não bastasse, estou convicto de que Couceiro representa a CONTINUIDADE que tem vindo a dominar o Sporting nos últimos anos. Estou convicto de que Couceiro não passa apenas de uma escolha de recurso (após falhar Figo, Rogério Alves, Rui Oliveira e Costa e Godinho Lopes), escolhido por aqueles que têm interesses que o Sporting não seja liderado por alguém de fora do seu círculo. Representa a CONTINUIDADE da falta de preparação e competência, elitismos, subserviência aos bancos e falta de conhecimentos acerca da realidade do clube.
Poderia Couceiro fazer parte da solução? Sim, talvez. Poderia integrar a estrutura para o futebol mas, mesmo assim, seria sempre um "tiro no escuro", dado o seu passado. Presidente? Nunca!

Resta-nos Bruno de Carvalho. Nunca o desmenti, trata-se de um Sportinguista com o qual me identifiquei logo, assim que o ouvi falar pela primeira vez sobre o clube, há dois anos.
É um jovem ambicioso e com conhecimentos. Não só conhecimentos sobre futebol e gestão, mas também conhecimentos sobre o Sporting e as suas gentes. É um de nós. Transpira Sportinguismo por todos os seus poros. Para além disto tudo, o mais importante é que Bruno de Carvalho representa uma total ruptura com o passado. Ruptura com a mediocridade instalada, ruptura com os elitismos e ruptura com a falta de competência e preparação, que tem dominado o clube nos últimos anos. Mesmo que as coisas não corram lhe corram bem, acredito que, com o Bruno, teremos de volta um Sporting com os qual os sócios e adeptos se voltarão a identificar. Bruno de Carvalho não é perfeito, nem a sua campanha foi perfeita, nem a sua lista é perfeita. Dificilmente o seria. Contudo, deposito-lhe todas as minhas esperanças e acredito que será capaz de reerguer este grande clube.

Para acabar, resta-me dizer que, caso José Couceiro seja eleito, a minha forma de acompanhar o Sporting será completamente diferente. Não deixarei de ser Sportinguista, nem deixarei de acompanhar as diferentes modalidades, apenas deixarei de ter confiança num que está podre. Podre nos seus dirigentes e podres nos seus adeptos.

Aproveito para desejar toda a sorte do Mundo ao Bruno, que, apesar de tudo, acredito que será eleito, e dizer-lhe que tenho total confiança nas suas capacidades.
Força Bruno!

sábado, 9 de março de 2013

As lutas do negócio e compadrio vs As lutas do Sporting


É triste. É triste que o Sporting se tenha tornado numa brincadeira para meia dúzia de pessoas, pessoas essas, cujo a única finalidade é servir os seus próprios interesses.

Os Sportinguistas terão, uma vez mais, nestas eleições, uma oportunidade de acabar com estas jogadas de favores. Veremos se, uma vez mais, a deixam escapar.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Adeus Godinho

Ao fim de quase 2 anos de desgoverno e incompetência, Godinho caiu, inevitavelmente. E saiu da mesma forma que entrou, empurrado pelos sócios. Ficou assim consumada, a primeira derrota da linhagem Roquette, embora com menos impacto do que aquela que seria de esperar na Assembleia Geral de dia 9. Ainda assim, uma derrota é sempre uma derrota.

Godinho ficará para a história como o pior presidente do Sporting Clube de Portugal, onde, em 2 anos de mandato, nos deu a conhecer 6 treinadores diferentes, colocou o Sporting nos lugares de descida, realizou vendas injustificáveis e aumentou o passivo do clube. Foi no seu mandato que se realizou o investimento mais caro da história do Sporting e, ao mesmo tempo, o menos certeiro.

As eleições já estão marcadas. É importante que os adeptos e sócios do clube, tenham a consciência da importância destas eleições. Nestas eleições, mais do que nomes e figuras, será importante discutir ideias, soluções e projectos para o clube pois, o que está em causa, é o futuro e sustentabilidade do Sporting. Pede-se aos candidatos uma certa dose de realismo. No futuro mais recente, o Sporting não se poderá dar ao luxo de grandes investimentos. O meu candidato será aquele que conseguir admitir que o futuro do clube passará por uma gestão rigorosa e ponderada e pelo aproveitamento dos jogadores da Academia fazendo com que, aos poucos, o Sporting se desprenda das suas obrigações para com a banca. Por estes motivos, não tenho qualquer tipo de problemas em afirmar que Bruno de Carvalho é um candidato cujo perfil me agrada.

Veremos o que nos reservam os próximos dias.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Sessão de esclarecimento - o pior e o melhor do Sporting

Ontem quando, durante a sessão de esclarecimentos da Assembleia-Geral, um grupo de adeptos (a mando de quem todos sabemos) agrediu o Vice-presidente da Mesa da Assembleia Geral, escreveu-se uma das páginas mais tristes da história centenária do clube. Senti-me revoltado e triste. O Sporting não é isto.

No entanto, quando pensava que nada me poderia colocar a sorrir naquele dia, eis que um sócio teve esta brilhante intervenção:

"Eu se tivesse que dizer aquilo que me vem na alma, daquilo que assisti precisamente aqui... sei lá....... Estou muito emocionado, muito triste.
Talvez aquilo que se passou aqui nesta sala comece a ser, e aí depois mais à frente será o apelo que lhe faço, e se nós tivermos precisamente a noção do que se passa no Sporting Clube de Portugal, os cento e tal anos de história e a forma como a Mesa da Assembleia Geral que, quer se queira quer não, é a Mesa da Assembleia Geral do NOSSO Sporting, são os NOSSOS representantes, as pessoas com mais poder que se pode ter dentro do NOSSO Sporting, um Presidente da Mesa da Assembleia Geral, da forma como aqui foi tratado, ENVERGONHA-NOS.
Quando eu penso que, estando aqui 50/60/70 pessoas e que os senhores nos estão a dar o privilégio de nos estarem a dar uma explicação de uma coisa que não devia ter explicação absolutamente nenhuma, porque, como mais providencia cautelar ou menos, a realidade é que os senhores não ultrapassaram os estatutos. Os senhores, na razão que há ou não há, não interessa, o que interessa é que os senhores querem dar a voz aos sócios do Sporting.
Todos nós sabemos que o que está aqui em jogo, há muito tempo, há uns anos a esta parte, é que o que está aqui em jogo, e isso vai ser uma coisa que vai ficar nas vossas mãos porque não vai ser fácil, são as 2 lutas: as lutas do Sporting e as lutas do negócio! Infelizmente, nós, ao longo dos anos caímos principalmente naquilo que eu entendo que acabou por ser um logro. Nós caímos nesta situação, é a realidade. Estamos aqui a discutir burocracias mas talvez a maior pergunta que nós podemos fazer  Mesa da Assembleia Geral é esta: estão os senhores dispostos (e estou crente que sim)?
Os sócios já tiveram a desilusão com muita gente. Os sócios, que são a força viva do clube, estão cansados de nomes e de figuras! A única figura que os senhores estão obrigados a representar, e estou convencido que o vão fazer, é a figura do Sporting Clube de Portugal. Estou crente que talvez já vamos um bocado tarde de mais. O negócio sobrepôs-se ao nosso clube. Mas uma coisa vos peço, até ao lavar dos cestos, que os senhores estejam a altura, peço vos, à altura do Sporting Clube de Portugal, dos meus netos, dos vossos netos, porque ele também faz parte um pouco da nossa vida!" - sócio José Manuel Nobre

Obrigado José Manuel Nobre!
O Sporting não está morto. Desde que continuem existir adeptos/sócios atentos, movidos apenas pela grande paixão que é o Sporting, como o caso do sócio José Manuel Nobre, a oposição sempre se fará sentir. E fazer-se-á sentir, até que a demissão de Godinho Lopes e consequente fim da linha Roquetteira, seja inevitável.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Em frente Sportinguistas!

Artigo 39º - Revogação do mandato:
(...)
2- A revogação do mandato dos membros do Conselho Directivo e do Conselho Fiscal e Disciplinar depende de justa causa e é deliberada em Assembleia Geral comum.

Artigo 50º - Assembleia comum extraordinária:
1- Extraordinariamente, a Assembleia Geral comum reúne-se em qualquer data:
(...)
c- A requerimento de sócios efectivos, no pleno gozo dos seus direitos, com o mínimo de mil votos, desde que depositem na tesouraria do Clube a importância necessária para cobrir as despesas inerentes.
d- Votar a revogação com justa causa do mandato dos titulares dos órgãos sociais, nos termos dos presentes estatutos.


Os sócios expressaram a sua vontade e tudo foi realizado conforme os estatutos mandam. A realização da AG é inevitável.

Até à sua marcação, muito se irá escrever, muito se irá falar e muito irá acontecer.
Os actuais dirigentes do clube estão empenhados em levar cabo (mais) uma campanha suja, com vista à retirada de fiabilidade à realização da Assembleia Geral, assim como a quem pretende a sua realização. O jornal Record parece ter sido o meio de comunicação escolhido para o efeito. 
E como o vão fazer? Qual a estratégia?

  • Descredibilizar a AG, fazendo passar a ideia de que a sua realização seria prejudicial ao clube.
Fazer passar a ideia de que, o "timing" da realização da Assembleia Geral, não é o mais indicado. Tentar-se-á fazer passar a ideia de que, a realização da Assembleia Geral, irá prejudicar a renegociação da dívida. Para além disso, fazer-se-á passar a ideia de que, a realização da Assembleia Geral, irá dificultar o aparecimento de investidores. 

  • Adiar a realização da AG
A estratégia aqui passa por deixar que a equipa de futebol comece a apresentar resultados (o que será natural), levando à pacificação da relação entre os adeptos e a direcção.

  • Descredibilizar todos aqueles que são a favor da realização da AG
O Dr. Daniel Sampaio foi a primeira vítima desta perseguição. Primeiro, foi acusado de tentar comprar a Juventude Leonina. Agora, foi acusado de tentar um "golpe de estado" dentro do clube. Todas as acusações foram, entretanto, desmentidas. Quem será a próxima vítima? O Dr. Eduardo Barroso? Será Bruno de Carvalho? Ou serão os responsáveis pelo movimento Dar Rumo ao Sporting?


Por isso, faço um apelo aos Sportinguitas, pedindo para se manterem atentos e que não se deixem levar por falsas promessas. Sempre que, até à realização da AG, surgirem notícias relacionadas com Godinho Lopes e a realização da Assembleia Geral, peço-lhes que mantenham uma postura crítica e que nunca se esqueçam que a actual direcção fará tudo para se manter no poleiro.
É o futuro do clube que está em causa!

Em frente Sportinguistas!